CLICK HERE FOR THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES »

sábado, 16 de agosto de 2008

Amor Platônico

Atire a primeira pedra quem nunca teve uma paixãozinha platônica quando era novinha!

Na 7ª série conheci a minha primeira paixão secreta. O Ricardo era da minha sala, um japonês não muito alto, inteligente, meio maloqueirinho, andava de skate e escutava punk rock... Ah, e tinha língua presa, fala de um jeito todo fofo. Uma graça!
Mais de um ano depois de estar apaixonadinha e fantasiando histórias, nos aproximamos um pouco. Nada que pudesse ser chamado de amizade, mas ele fazia os gracejos dele durante as aulas e eu, tímida que só, morria de vergonha e nem respondia.

Depois que mudei de escola no fim do 1° colegial, mudei muito e o pessoal das antigas sempre comentava. O Ricardo era um dos que não poupavam elogios.
Mudada, mais bonita e mais bem vestida, passei a encontrá-lo esporadicamente e acidentalmente nos showzinhos de rock que rolavam de sábado, ainda sem nenhum interesse da parte dele e pouca conversa.

Desencantei do bofe e comecei a namorar o azarado das mobílias quebradas.Durante meu namoro encontrei o Ricardo em um show e eis que bem quando eu estava comprometida o bonito resolve tomar uma atitude e partir pro ataque.
Durante um minuto o meu mundo parou. Mil coisas passaram pela minha cabeça e eu não sabia o que fazer. Acabei recusando... Quem mandou ser lerdo? Passei quatro anos esperando a boa vontade do piá, e quando tinha conhecido alguém legal ele aparece e estraga tudo? Ahh, comigo não!

Quando terminei meu namoro, nós nos reencontramos numa festa de uma amiga. Rolou tooodo aquele flerte e eu crente que daquele dia não passava, mas descobri que ele estava namorando e decidi não ser a vaca da história.
Arrumei outro namorado, o Ricardo terminou com a fulaninha e nada de rolar... Era sempre assim, quando um estava livre, o outro não tava e eu me segurando horrores pra não enfeitar a cabeça de alguém e matar logo as vontades!

Desisti. O destino estava me dizendo que não ia rolar mesmo e resolvi esquecer a existência dele. No dia em que terminei meu namoro o Ricardo brotou no msn. Olha, eu não acredito muito em coincidências, mas esse dia chegou a me arrepiar a espinha!
Me chamou pra baladinha com amigos em comum, ofereceu carona e eu fui toda toda certa que ele tava afim. Quando chegamos no tal bar senti que eu havia me equivocado. O Ricardo sentou bem longe de mim e não demonstrou sequer um pingo de interesse. Maldito!

Relaxei e passei o resto da noite falando besteiras, reclamando dos homens e bebendo. Quando estávamos indo embora, ele me abraçou e me deu um beijo!!!
Sim!!! FINALMENTE eu beijei o príncipe encantado dos meus sonhos! Anos idealizando aquele momento, aquele beijo... Meu amor platônico tinha de fato se tornado real! Realizei meu sonho de consumo e descobri que o sonho realizado era na verdade um pesadelo...Ele não beijava mal... Ele beijava horrorosamente!!!! Gatas, vocês sabem o que é passar aaaaaaaanos imaginando o beijo perfeito e quando você finalmente consegue cair de boca na boca do bofe você se depara com algo parecido com uma batedeira de bolo funcionando freneticamente? Ta aí a palavra! FRENÉTICA! A língua dele era frenética! Mexia em uma velocidade média de 15.000 RPM [rotações por minuto], coisa de deixar qualquer roda de possante com invejinha!
Com toooooooda aquela pressa, aquele beijo desritmado que não encaixava nem com forças ocultas os acidentes acabavam acontecendo e as incomodas batidas de dentes se tornavam inevitáveis e freqüentes.

Mas sabe como é né. Guerreira e brasileira que sou, não desisto nunca. Lá fui eu com a eterna esperança de que talvez na cama a coisa fluísse...
Fomos a casa dele. Eu acreditava que a coisa havia de prestar. Eu não podia ter passado tanto tempo apaixonada por um cara tão incompetente! Deus não haveria de me dar tamanho desgosto nessa vida! Mas, como Deus utiliza-se da minha desgraça para se divertir dando algumas risadas nas horas vagas, minhas surpresas infelizes não iriam parar naquilo que ele chamava de “beijo”.

Pois é. Pra começar, o infeliz estava dentro das estatísticas de que nipos têm piquinha e ainda por cima era pouquíssimo esforçado. Fez ali o servicinho bem mal feito e rapidinho, desses que você pergunta “ué, parou por que?” pensando inocentemente que ele quis conferir se a camisinha não estourou, ou quis trocar de posição e ainda não decidiu qual e o maldito responde “porque eu gozei”. Sexo mal feito de um sujeitinho mal empenhado era realmente revoltante!!!! Eu até quis tentar de novo... Como a segunda normalmente é mais demoradinha, tive a esperança de sentir uma cosquinha na piricota que me fizesse sentir o mínimo de prazer que eu merecia, mas não teve cristo que fizesse o bixo funcionar mais uma vez.

A desculpa dele foi a bebida. Como sempre, a bebida!
A minha desculpa pra sumir repentinamente? Ah, nem dei! Só sumi! Um sujeito desse não merecia nem um “a gente se fala” daqueles que a gente só diz pra manter a aparência simpática.

No fim das contas foi bom pra eu aprender que existem amores que não devem JAMAIS sair do imaginário. Quando eu só imaginava, ele pelo menos tinha um beijo bom...

9 comentários:

Celua disse...

"tive a esperança de sentir uma cosquinha na piricota que me fizesse sentir o mínimo de prazer que eu merecia,"

HAHSOUAHUOSAHUOSHAUOSHAUOSHAUOHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHSUOAHUOSAHOSUHAUOSHAUOSHAOSHAOUSHAOSHAOSHA
AI DORA!!!!!!!!!!!! MORRO COM VOCÊ!!!!!!
AHSASIHAOUSHAOUSHAUOSHAUOHSOA

Letz Spindola disse...

hahaha, que foda. esse beijo lembrou o meu primeiro beijo.
o cara beijava na pegada de filme de ator pornô fazendo oral, tremendo a lingua, parecendo um ataque epiléptico. eeew.

coffeeandglitter disse...

HAHAHAHAHAHAHA

de fato, tem horas que é melhor ficar só idealizando. isso já aconteceu comigo, só que parei pelo beijo mesmo.

você é ótima, Dora. o/

Eli disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Eita mulher que tem dedo podre pra escolher homem credo.kkkkkkkkkk
Dora tenho dó de suas desventuras,mas adoooooooooro quando vc se da mal,assim podemos rir muito por aqui.


Beijos a todos e bom fim de semana.

golcontra disse...

No fim das contas foi bom pra eu aprender que existem amores que não devem JAMAIS sair do imaginário.


MAIS do que certo isso.
ahoiehoiuah
q coisa!

Mussum! disse...

Meu, mas vc só se phode, né?? hauhauhauahuahuahauhauhauaha! Como se eu estivesse muuuuuuito bem arrumada!!

Supervixen disse...

Com esse tipo de experiencia que eu me tornei a tipica pessoa bizarra que não fantasia com nenhum homem ainda não conquistado! HAHAHHAHAHAH

Super Megera. disse...

HAHAHAHA
AAAADOURO demais, ai gentem concordo PLENAMENTE com essa conclusão, existem amores que não deviam ser realizados, afinal a fantasia sempre será melhor do que a realidade, ao nenos nesses casos.

=**

Malaguetta disse...

ja tive esses amores platonicos.
só os meus depois de 5 anos,renderam :P
e o pior eh que foi com um mestiço tbm ;D